A lição da Figueira para a Gestão de Pessoas

Leia este artigo somente se você é um Gestor e quer ter colaboradores trabalhando alinhados aos seus propósitos

Se você tem uma equipe de trabalho, é muito provável que um dos seus desejos é o de ter colaboradores alinhados aos seus propósitos,  próximos a sua forma de trabalhar. São poucas as pessoas que você encontrará com  todas as habilidades que você procura, até porque as habilidades de um empreendedor ou de um gestor são características que fazem parte de um pequeno grupo das pessoas.

Muitas vezes é necessário utilizar-se do exemplo que a planta da figueira nos dá, umas das árvores de maior longevidade e veja o que ela pode nos ensinar.

Quando criança, uma das coisas que mais gostava de fazer era brincar embaixo de árvores e uma das minhas prediletas era a figueira.

Sempre apreciei sua sombra, porém pouco sabia sobre essa preciosidade da natureza, até descobrir algumas curiosidades muito interessantes sobre essa árvore, das quais pude associar com a Gestão de Pessoas.

Como entendo pouco de botânica, pesquisei sobre ela e  antes de  falar das lições é interessante citar alguns conceitos que encontrei: “F. clusiifolia, ou figueira-vermelha, nativa do Brasil, é uma das plantas que se comportam como "estranguladoras". Ocasionalmente, germinam sobre outras árvores, e crescem como epífitas até que suas raízes alcancem o solo. Então as raízes engrossam, crescem em volta da árvore hospedeira, até que a figueira a sufoca por cintamento ou compete com a planta hospedeira na absorção de água do solo, que acaba morrendo”. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Figueira).

Pensei comigo: mas que maldade! Será que ela não poderia crescer sem fazer o estrangulamento? Inconformada com a lição, resolvi pesquisar mais sobre ela, e encontrei os mais variados pareceres, mas, o que mais me chamou a atenção foi o significado de epifitismo: “o modo de vida das plantas epífitas, são as que vivem sobre outras plantas, sem retirar nutrientes delas, mas apenas se apoiando nelas (se retirassem nutrientes delas, não seriam epífitas, mas parasitas)”. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Epifitismo )

Quando li este conceito, mudou totalmente a minha visão sobre a lição aprendida e associei também o porquê da longevidade dessa planta.

Uma figueira não se apoia em outro pé de figueira, mas sim, em outra árvore que pode nutrí-la e ambas tornam-se fortes o suficiente para viverem por muitos anos.

Sozinha, a figueira não cresceria e a árvore hospedeira não teria a longevidade de uma figueira, porém, quando juntas, formam uma das mais belas árvores da natureza. A árvore hospedeira é muito similar àquelas pessoas que trabalham muito próximas aos seus propósitos, porém, não necessariamente com todas as suas competências.

Muitas vezes, precisamos encontrar outras árvores para nos apoiar e não necessariamente árvores iguais a nós. Se você for capaz de, entre 10 colaboradores, encontrar uma árvore hospedeira, esta terá nutrientes necessários e suficientes para formar mais dez árvores, e assim, sucessivamente.

Um erro comum que os gestores cometem, é querer na sua equipe somente figueiras ou hospedeiras e esquecem que para isso é necessário cultivar uma boa floresta, ou seja, fazer uma boa Gestão. Portanto, uma floresta necessita de diferentes espécies assim como é a Gestão de Pessoas. #gestaocriativaeditezatta


#conteudo2#

#htmlPersonalizado#